Técnica dos Pontos Médios

O mundo “invisível” da carta astral

Embora a técnica dos pontos médios seja muito antiga, foi só em meados do século passado que a sua utilização foi redescoberta e desenvolvida pelo astrólogo moderno. Os softwares de astrologia ajudaram no seu ressurgimento pela rapidez e facilidade com que se realizam os cálculos e combina-se a informação.
A simplicidade de aprendizagem desta técnica contrasta com a imensidão de informação que dela se consegue extrair. Quando a comecei a estudar, no modulo 7 do curso da FAS, senti como que um novo mundo de informação até à data “invisível” aos meus olhos começava a ser revelado pela primeira vez. Isto despertou em mim aquele êxtase que se sente nos primeiros anos de aprendizagem da astrologia em que tudo é novo e fascinante. Espero que esta introdução à técnica dos pontos médios possa despertar a mesma emoção a todos os que ainda não a conhecem.
À semelhança do que acontece com qualquer técnica de astrologia, a informação obtida não deve ser analisada isoladamente, mas sim integrada com o resto da informação da carta astral. Isto é uma regra de ouro que deve estar sempre presente. Além disso, a capacidade de selecionar a partir de cada técnica astrológica a informação que é relevante para a interpretação em causa é igualmente determinante no sucesso da aplicação de qualquer técnica, nomeadamente esta.

O que são e como se calculam os pontos médios?

Ponto médio (PM) é o ponto que se encontra exatamente no meio de dois Astros.
Se olharmos para a Figura 1 existem dois pontos médios, um no arco maior e outro no arco menor.
O ponto médio direto é o que se encontra situado no arco menor.
A representação do ponto médio entre A e B é feita da forma A/B.
Figura 1

Cálculo do Ponto Médio entre A e B:

  • Somar a posição dos dois Astros A e B em valores longitudinais (convertidos para os 360º do zodiaco).
  • Dividir a soma por 2 (se a soma for > 360º antes da divisão subtrair 360º).
  • Reconverter o valor e obter o signo e grau do PM direto.

É possível ver um exemplo de cálculo aqui

Em termos de interpretação, o ponto médio entre dois planetas é o grau onde as energias dessa combinação planetária se fundem e são expressas de forma combinada, como se tratasse de uma só unidade. De certa forma é equivalente ao conceito da conjunção. No entanto, o potencial de uma conjunção está sempre ativo no mapa enquanto um PM se não estiver ocupado na carta astral por um terceiro fator tende a ficar adormecido até ser ativado por trânsito, progressão, direção de arco solar ou por uma lunação.
O princípio da técnica dos pontos médios é que em qualquer carta astral existe um ponto em que cada combinação planetária expressa-se como uma unidade. Assim, mesmo não existindo aspetos entre uma determinada combinação planetária podemos sempre calcular o seu ponto médio e determinar quando este é ativado. Podemos fazer combinações planetárias envolvendo planetas, nodos lunares e ângulos.

Pontos médios especiais

Existem dois pontos médios especiais em qualquer carta astral. São eles o PM entre o Sol e a Lua (Sol/Lua) e o PM entre o Ascendente e Meio do Céu (Asc/MC):

  • Sol / Lua – É conhecido pelo ponto de conjunção dos alquimistas ou do “casamento interior” onde se funde o lado “masculino” e “feminino”. Nesta fusão, o lado masculino representa a parte lógica, verbal, intelectual e o lado feminino a parte emocional, musical e intuitiva. É por isso um ponto associado ao potencial criativo e à realização pessoal na sua mais elevada expressão. É o ponto de união dos aspetos base do Ser simbolizados nos arquétipos da Lua e do Sol. O potencial criativo representado por este ponto está presente em todos nós, mas tende a estar especialmente forte nas cartas onde este ponto é ativado por um terceiro fator como veremos mais adiante.
  • Asc/MC – Este ponto médio só deve ser calculado se soubermos a hora exata do nascimento. Alfred Witte, um investigador desta técnica relacionava o Meio do Céu à ideia do “tempo” e o Ascendente à do “espaço”. Daqui nasce a relação deste ponto com o momento presente, here and now. Por outro lado, ele combina as nossas ambições socias e direção profissional (M.C.) com a forma como nos projetamos no mundo e tomamos iniciativa (Asc.). Assim, também é muito representativo da forma como orientamos a nossa vida e como vamos atualizando a nossa relação com o mundo.

Combinação de um terceiro fator

Quando um terceiro planeta faz aspeto a um ponto médio ele vai atuar como um canal direto para expressão das duas energias combinadas, funcionando como um catalisador (ponto focal) para o processo de fusão dos dois planetas.
O aspeto pode ser por conjunção ao PM direto, oposição (180º), quadratura (90º), semiquadratura (45º) ou por sesquiquadratura (135º) porque os estudos evidenciaram que um ponto médio é ativado não apenas no grau do PM direto mas também nos graus correspondentes a todos esses aspetos. Assim, para cada PM temos 8 pontos no mapa (graus) onde ele pode ser ativado. Quando um planeta está num desses 8 graus, diz-se que o planeta está “no ponto médio”. Por exemplo, se Júpiter estiver num dos oito pontos ilustrados na figura seguinte, diz-se que Júpiter está no ponto médio do Sol e da Lua, representando-se: Júpiter = Sol/ Lua.

Figura 2Considerando os aspetos acima, para cada PM vamos ter 4 graus de ativação em signos de uma modalidade (cardinal, fixo ou mutável) e mais 4 em signos de outra modalidade. Seria complicado calcular manualmente os pontos médios e os respetivos graus de ativação para as várias combinações planetárias. No software Solar Fire, na opção MidPoint Modes, conseguimos obter a lista de todos os PMs e respetivos graus de ativação.
A Figura a seguir mostra como o Solar fire apresenta os pontos médios das várias combinações planetárias para o exemplo dado (dados: 1.Mar.1979 – 22:35 – Lisboa).

Tabela de Pontos Médios 1Para o ponto médio entre o Sol e a Lua temos a representação dos graus: 2º53′ de Carneiro e  17º53′ de Touro. De acordo com o referido anteriormente, o ponto médio entre o Sol e a Lua nesta carta é ativado no grau 2º53′ em todos os signos cardinais e no grau 17º53´ em todos os signos fixos.  No Solar Fire só aparece representado um dos pontos mas o utilizador consegue calcular facilmente os restantes 3 pontos de cada modalidade (mesmo grau, varia apenas o signo).

No link http://teachmeastrology.com/midpoint-calculator/ é possível calcular os pontos médios diretos para uma determinada data+hora e local.

Deve-se considerar uma orbe máxima de +/- 2° para os planetas que caem nos pontos médios envolvendo Sol, Lua, MC e ASC ou quando o Sol, Lua, MC e ASC encontram-se no PM de outros planetas.
Nos restantes casos, considera-se uma orbe +/- 1°30. Como sempre, quanto mais pequena a orbe mais poderosa é a combinação.

Exemplos práticos

  • Jacques Cousteau foi uma grande autoridade no que se refere à investigação e divulgação da vida no fundo do mar. Ele tinha Neptuno no ponto médio entre o Sol e a Lua, Neptuno = Sol / Lua. Neptuno tem correspondência com oceanos, imagens, fotografias, filmes. Neptuno neste ponto médio representa lindamente como é que o potencial criativo de Jacques Cousteau encontrou expressão. Através de imagens, filmes e documentarios sobre a vida nos oceanos ele expressou a sua criatividade única .
  • Adolfo Hitler é um exemplo representativo em alguns estudos de como a técnica dos pontos médios pode ser muito reveladora. Hitler na sua carta Natal possui uma sesquiquadratura entre Úrano e Plutão, dois planetas representativos do radicalismo (Úrano) e da destruição (Plutão). Nenhum destes planetas é regente do ascendente ou tem aspeto com a Lua e o Sol, como de poderia esperar. No entanto, pela técnica dos pontos médios obtemos Sol / Lua  = Neptuno = Plutão, ou seja, Úrano e Plutão estão ambos no PM da Lua e do Sol! Foi pelo radicalismo e destruição que Hitler se distinguiu, e deixou a sua marca no mundo. É claro que uma combinação só por si não é determinante nem suficiente, mas os planetas que estão no PM do Sol e da Lua são muito reveladores da forma como a pessoa vai expressar-se na vida. Neste caso, infelizmente, as energias manifestaram-se na sua expressão mais negativa.

Árvores de pontos médios

Um planeta, ângulo ou nodo pode estar no ponto médio de várias combinações planetárias. A representação gráfica desta situação tem o nome de árvore de pontos médios. A Figura 3 ilustra uma árvore de pontos médios, usando a opção Midpoint Trees do software Solar Fire para o Sol, no contexto da carta astral apresentada mais abaixo.
Figura 3As árvores de pontos médios podem ser bastante úteis quando se quer aprofundar o modo de expressão de um determinado planeta ou ponto da carta astral. Por exemplo, o Sol na carta astral da Figura 4 não tem aspetos maiores (conjunção, oposição, quadratura, trígono ou sextil), diz-se que está sem aspetos. Planetas sem aspetos podem representar áreas da vida da pessoa que não estão integradas e, por outro lado, os planetas nesta situação tendem a atuar de uma forma independente. Não é fácil interpretá-los!

Este Sol em escorpião, na casa 4 e sem aspetos, pode sugerir alguém que vive no seu mundo secreto, à parte dos outros, por uma questão de proteção e/ou natureza desconfiada. Noutra perspetiva, pode indicar alguém com interesses muito específicos e/ou misteriosos. Sendo o Sol regente do ascendente temos aqui uma espécie de ambivalência entre uma vida centrada na sua zona de conforto (no seu mundo) e ao mesmo tempo exposta aos outros. Pode também indicar alguém que mesmo querendo não dar nas vistas acaba por fazê-lo.
Figura 4A leitura da árvore de pontos médios pode ajudar-nos a aprofundar mais este Sol. A árvore de pontos médios da figura 3 informa-nos que o Sol está no PM das combinações planetárias: Jupíter/Quiron, Vénus/Meio Céu e Jupíter/Úrano, ou seja:

Sol = Jupíter/Quiron = Vénus/Meio Céu = Jupíter/Úrano

A repetição de Júpiter na árvore, enfatizando o principio de Jupiter, revela desde logo que questões ligadas à educação, ensino superior, religião ou filosofia podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento deste Sol. O PM Júpiter/ Quíron  pode indicar um estilo único e criativo de ensinar e, por outro lado, o contato com assuntos mais metafísicos pode fazer parte do desenvolvimento pessoal. O PM Júpiter/Úrano  sugere aptidão para lidar com tecnologia. Na carta temos um Júpiter na casa IX o que por si só revela alguém com predisposição para expandir os horizontes intelectuais. No entanto, não temos presente uma relação entre Jupíter e o Sol como nos foi revelada pelos pontos médios.
O Sol no ponto médio de Vénus / Meio Céu indica que o ser valorizado profissionalmente é algo muito importante para esta pessoa e que por isso tenderá a investir muito nessa área. A árvore de pontos médios ajudou-nos a perceber que se trata de alguém cujo desenvolvimento pessoal e fonte de criatividade está muito ligado aos estudos e necessidade de reconhecimento.

Ativação dos pontos médios

Os pontos médios que estão desocupados na carta astral tendem a ficar adormecidos até serem ativados por trânsito, progressão ou direção de arco solar, por um planeta ou ângulo que passe num dos oito graus representados na Figura 2. Quando são ativados, a energia latente ao ponto médio vai-se manifestar através desse planeta. As orbes para trânsitos, progressões e direções de arco solar não devem ser superiores a 30’.

Como começar a usar os pontos médios?

Seguem-se 3 dicas para quem queira começar a usar e estudar os pontos médios nas suas interpretações:

  1. Analisar os pontos médios entre o Sol e a Lua, Asc / M.C. Se existirem planetas nestes pontos médios, estes serão muito representativos dos temas principais da vida da pessoa.
  2. Analisar as árvores de pontos médios para o Sol, Lua e regente do Ascendente.
  3. Analisar trânsitos e lunações que façam aspeto aos pontos médios Sol / Lua e Asc / M.C.

Conclusão

Os pontos médios ajudam a refinar e a aprofundar o trabalho do astrólogo. No caso da interpretação do tema natal eles permitem ir além do que está visível na carta astral dando ao astrólogo outras pistas e insights sobre a forma como cada planeta se vai desenvolvendo e manifestando ao longo da vida. Eles podem enfatizar configurações presentes na carta, mas podem também dar novas pistas.

No caso das previsões, os pontos médios permitem olhar para as áreas “cinzentas” da carta (áreas vazias) de forma muito diferente. Por exemplo, podemos ter um Plutão ou Saturno a transitar num grau da carta onde não faz aspeto com nenhum outro planeta ou ponto relevante da carta, mas ele pode estar a ativar um PM especial e isto não deve passar despercebido ao astrólogo pois pode fazer uma grande diferença na interpretação da carta astral!

Espero que esta introdução aos pontos médios tenha despertado no leitor curiosidade para o seu estudo e que possa trazer valor acrescentado no uso e prática da astrologia.

———
obrigada pela partilha do meu trabalho |  Mónica Teixeira | Serviços


Referências:
COSI, The combination of Stellar Influences do autor Reinhold Ebertin
Working with Astrology – The Psychology of Midpoints Harmonics and Astro*Carto*Graphy, do autor Michael Harding & Charles Harvey.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *